Dicas de Saúde e leitura


Fim

Mães de primeira viagem contam como se preparam para a chegada dos bebêsMães de primeira viagem contam como se preparam para a chegada dos bebês

Mães de primeira viagem contam como se preparam para a chegada dos bebês


Autor(s): Deborah Bresser. Fotos Rogério Voltan. Produção Fernanda Almeida Prado
Data de publicação: 04 / 03 / 2019

 

Mães de primeira viagem contam como se preparam para a chegada dos bebês

 

Durante a gestação, você vai ter muitas questões práticas para resolver, da decoração do quarto até o que comer nos primeiros dias com o bebê em casa. Nas próximas páginas, contamos tudo o que precisa saber. Afinal, quanto melhor for sua organização, mais fácil lidar com tantas novidades no pós-parto



Como organizar as visitas

Não, você não entendeu errado, não. É uma delícia que todos queiram conhecer seu bebê, mas o entra e sai no quarto da maternidade e até mesmo na sua casa pode cansá-la. Afinal, você acabou de ter um filho, está se acostumando com todas as novidades e lidando com a amamentação. Na maternidade, você pode optar por avisar todo mundo depois que ele nascer, e não quando estiver em trabalho de parto, por exemplo. Faça uma lista com os telefones de todos os que deseja que sejam avisados. Deixe engatilhado também um e-mail de boas-vindas. Você não precisa ir ao cabeleireiro, mas é legal colocar na sua mala da maternidade itens básicos de um nécessaire, como batom e rímel (abaixo, veja como organizar a mala do bebê). As visitas no hospital costumam ser mais curtas e você não precisa se preocupar com a organização do espaço, mas não é difícil que o quarto fique cheio em alguns horários.

Em casa, se não estiver disposta a receber ninguém nos primeiros dias, peça aos parentes e amigos que aguardem um bocadinho. Uma alternativa é fazer com que todos venham em um só dia. Assim, você se preocupa com a organização de uma única vez.

Quem vai cuidar da faxina

Chegando da maternidade, aliás, uma coisa é certa: a casa precisará estar limpa – o sistema imunológico do bebê não está completamente desenvolvido e ele é mais suscetível a infecções, por exemplo – e organizada (para o seu próprio bem). Saber quem vai ficar responsável por isso antes dele nascer é crucial, e são várias as opções. A primeira é contratar uma empregada que cuide da rotina doméstica. O ideal é que ela comece antes da chegada do bebê, para que você tenha tempo de testar o serviço e adquirir alguma confiança. Se a opção for uma diarista, veja se não é o caso de chamá-la duas vezes na semana. Outra alternativa é ter uma empregada e uma babá, mas demanda uma folga maior no orçamento. Seja qual for a sua escolha, combine tudo o que ela vai fazer antes do nascimento do seu filho para evitar mal-entendidos depois.

Caso você não possa contratar uma pessoa, o importante é se adaptar às novas tarefas – e dividi-las, claro, com seu parceiro. O recomendado é focar nos ambientes de maior fluxo, como cozinha, quarto do bebê e banheiro, e na lavagem das roupas. Irmãos, amigos e parentes próximos podem formar uma rede de apoio. Érica Ilves Ribeiro, 34 anos, assistente financeira, mãe de Maria Clara, 3, teve ajuda da mãe e da sogra na primeira semana. “Estava louca para ficar sozinha com minha filha, mas o auxílio delas foi fundamental! Hoje aceitaria a ajuda delas até a hora que não quisessem mais”, afirma. Veja o que é melhor para você.

 

E você ainda tem que lembrar:

Do plano de saúde do bebê: se você ou seu companheiro tiverem um que cubra obstetrícia, podem incluir a criança até 30 dias depois do nascimento, sem carência - nesse período, ela tem cobertura pelo plano de saúde dos pais. Se possuir um sem obstetrícia, verifique se pode incluí-la, e aí não há qualquer tipo de carência também. Se não tiver plano, pode fazer um específico para o seu filho, mas aí existem carências, que variam de acordo com cada operadora de saúde.

Das finanças: o ideal é que os gastos com os móveis, decoração do quarto e demais compras (como carrinho e cadeirinha) não ultrapassem 5% da renda anual do casal. Já os custos com plano de saúde, pediatra, fraldas e roupinhas devem ocupar 10% do orçamento mensal.

Do carro da família: se estão pensando em trocar, opte por um modelo com quatro portas, mais prático para colocar e tirar o bebê do carro. Entre as facilidades que você ainda pode encontrar, estão: mais espaço no porta-malas, portas-treco, mesinhas (tipo as de avião para colocar copos e pratos) e espelho embutido (para olhar a criança).

Do animal de estimação: como? Pois é… Você vai ter de pensar nisso também. Em casos extremos, pode até ocorrer a fuga do animal ou uma crise de tristeza no bicho. Assim que souber da gravidez, ponha a cama do cão, por exemplo, para fora do quarto e acostume-o no novo local. Na volta da maternidade, o ideal é fazer uma festa para o pet, e, sem sair de perto, deixar que ele cheire o bebê para que se habitue com a “novidade”.