Dicas de Saúde e leitura


Fim

O Bebê acostumou a dormir com os pais, e agora?

CAMA DOS PAIS


Autor(s): Drª. Efigênia Vanda de Jesus - Pediatra da Clínica Infantil Moleque Travesso
Data de publicação: 05 / 03 / 2019


 

Muitos pais compartilham a cama com os filhos, mas, o ideal é que desde o momento que chega do hospital o bebê tenha o seu cantinho na casa, pois, quanto mais cedo ele se acostumar a dormir no berço, melhor, evitando-se situações de risco, físico e emocional.  No entanto, várias situações contribuem para que o pequeno seja levado à cama dos pais: a facilidade para amamentar, já que a mãe não precisa levantar cansada no meio da noite para tal; a sensação de que estando ao alcance das mãos e dos olhos nada de mal poderá lhe acontecer; e, aqueles pais que quando chegam do trabalho a criança já está adormecida e, dessa forma podem passar mais algum tempo juntos.
Também, quando a criança adoece, fica mais fácil para cuidar, medir a temperatura, dar a medicação, sem tumultuar tanto o sono dos adultos. Por mais que possa ser difícil para a mamãe se afastar do filho, é necessário dar-lhe suporte para encontrar sua individualidade, não permitindo que o sono e o cansaço contribuam para que ceda e deixe a criança se juntar a eles na cama.
Alerta-se para o risco de sufocamento, a perda da privacidade conjugal e contratempos como acordar com a cama molhada. Algumas medidas podem ser tomadas para transmitir segurança à criança ao proporcionar-lhe um sono tranqüilo, fazendo com que aprenda a dormir sozinha.
Na medida em que cresce e passa a dormir menos, o bebê precisa de uma rotina pré-estabelecida para cair no sono, com horários bem definidos e respeitados, evitando-se atividades que possam deixá-lo agitado.
Como exemplo, permita que fique acesa uma luz secundária mais fraca enquanto se conta uma historinha, de preferência curta; faça-lhe um carinho, um afago e dê um beijinho de boa noite. Se mantida regularmente, esta seqüência irá se fixar na mente da criança e certamente irá ajudá-la a adormecer mais facilmente.
Acostuma-la a dormir em seu próprio espaço desde cedo também desestimula futuras incursões ao quarto dos pais. Não se esqueça: um bom sono é fundamental para o crescimento saudável de seu filho.
 À noite, apenas brincadeiras calmas e agradáveis.
 Estabeleça um ritual de 20 minutos, com as mesmas atividades na mesma ordem.
 Leve o bebê para a cama acordado (com sono, mas não o adormeça no colo nem na sua cama, nem no sofá).
 Leve junto um brinquedo ou objeto preferido.
 Leia para ele um livro infantil.
 Depois diga para ele que você vai contar devagar, pausado, até 10 e depois não vai mais dar atenção.
 Permaneça no quarto, afastada, mas numa posição em que o bebê possa vê-la, por alguns minutos.
 Uma luz fraca é opcional.
 Se ele acordar durante a noite, certifique-se que não há nada de errado, deixe que ele tente pegar no sono novamente sozinho.
 Se ele não conseguir em 5 minutos, coloque a mão sobre ele (sem pegá-lo), converse um pouco e depois conte novamente até 10 e permaneça um pouco no quarto, mas afastada.
 Atenção: paciência e persistência!
 Não importa quantas vezes, quando o bebê acorda no meio da noite deve-se colocá-lo novamente para dormir, seja contando uma historinha, cantando ou apenas ficando a seu lado – cada família tem seu ritual, que deve ser seguido diariamente.
 Não é recomendável tira-lo do berço, pois ele irá se acostumar a esta condição e passará a exigir isto toda noite.

Quando o bebê acordar à noite depois dos 4 meses :

  1.  Esperar 3 minutos (não dar atenção);
  2. Ir ao quarto, colocar a mão sobre o bebê, conversar 5 minutos, contar até 10 devagar e sai.
  3. Se o bebê continuar a chorar, esperar 5 minutos e entrar e repetir: colocar a mão, conversar i5 minutos, contar até 10 devagar e sair.
  4. Sair; se chorar esperar 7 minutos e repetir. 
  5. Aumentar 2 minutos por vez.
  • Observação: nas 2 primeiras noites, o processo pode durar 2 horas.
  • Importante – sempre colocar o bebê na cama com sono, mas acordado.
  • Não dar chupeta nem água quando acordar. Não pegá-lo no colo, não tirá-lo da cama.
  •  A última acordada das 5h, ir espaçando aos poucos até 7h.  

Drª. Efigênia Vanda de Jesus
Pediatra da Clínica Infantil Moleque Travesso