Dicas de Saúde e leitura


Fim

Febre


Autor(s): Dra. Efigênia Vanda de Jesus - Pediatra da Clínica MOLEQUE TRAVESSO
Data de publicação: 05 / 03 / 2019


 

Doutor, meu filho está com febre. O que fazer?

(FONTE: A criança com febre: do sintoma ao diagnóstico - Jayme Murahovschi. Membro titular da Academia Brasileira de Pediatria).

Febre é a elevação da temperatura do interior do corpo acima dos valores normais para o indivíduo (em torno de 37ºC).

A temperatura corpórea é regulada pelo centro termorregulador (termostato) situado no hipotálamo. Na febre, o termostato é reajustado para um patamar mais elevado.

Hipertermia é o aumento da temperatura do corpo por aumento da produção ou diminuição da perda de calor, sem alteração do termostato. Pode ocorrer em excesso de calor ambiental, exercício físico intenso e desidratação.

A temperatura axilar (culturalmente aceita entre nós) varia de 36,5º pela manhã até 37,2ºC no fim da tarde. Importante: enxugar o suor da axila, manter o termômetro na axila com o braço firmemente apoiado sobre o tórax por 3 a 4 minutos; fazer logo a leitura.

Pode considerar-se como febre temperatura axilar acima de 37,2ºC.

A criança está com 37,2ºC, qual a conduta?

Não é febre, pois febre é acima de 37,2ºC (mesmo que sejam centésimos). Mas também não é habitual.

Eliminar o fator de hipertermia: reduzir agasalho, ventilar o ambiente, oferecer líquidos e repetir a medida após 15 minutos.

Lembrar que pode ser o início de um processo febril, manter sob observação as próximas horas.

A faixa de maior preocupação é a dos menores de dois anos, porque, de um lado, inclui uma grande maioria de processos virais geralmente benignos (antibióticos não indicados), mas, por outro, apresenta elevado risco de bacteriemia oculta, que pode ser autolimitada, como pode evoluir para doenças graves (meningite, pneumonia, otite, pielonefrite).

O objetivo principal do médico será distinguir as infecções virais benignas das infecções bacterianas, para resolver o dilema: prescrever ou não antibiótico.

  1. A febre em si não causa dano, a não ser que seja 40,5º ou mais, mas causa desconforto. Sabe-se que febre baixa é útil por ativar os mecanismos de defesa do organismo. Assim, o objetivo do tratamento não é normalizar, a qualquer custo, a temperatura, mas aliviar o desconforto.
  2. Alimentação - respeitar a diminuição do apetite e dar o que a criança aceita melhor.
  3. Evitar excesso de agasalhos; manter o ambiente ventilado.
  4. Banhos mornos (não frios e nunca usar álcool) podem diminuir o mal-estar e devem ser usados apenas para esse fim.
  5. Para reduzir o desconforto, na vigência da febre, podem ser usados antitérmicos: optar pelo antitérmico mais disponível para a família, a aceitação, tolerância e dose eficaz.